FEDERAÇÃO PORTUGUESA
DE NATURISMO

Desde 1977 a dignificar a nudez
34º Congresso Mundial de Naturismo -  11-13 Setembro Irlanda

No site da INF foram disponibilizadas publicamente todas as moções e relatórios a levar ao congresso bem como as actas do congresso.

Neste artigo vamos apenas abordar os resultados das moções e os factos mais relevantes deste congresso.

Das moções  a debate e votação foram rejeitadas as seguintes:



  1. Federação irlandesa -  que pretendia alterar o conceito de que o abuso de álcool e tabaco deveriam ser removidos dos objectivos da INF;
  2. Federação croata - pretendia alguma obrigatoriedade na apresentação de cartão da INF em espaços naturistas, tais como, campings, resorts, etc e também a solicitação da INF em criar descontos nestes mesmos espaços;
  3. Federação espanhola - pretendia a criação de um fundo de 20.000 Euros para apoiar as federações nos casos judiciais.

Foi também rejeitado por todas as federações a possibilidade de admissão de membros directos pela INF em países onde existam federações apresentada pela INF.

A nossa opinião sobre as moções foi muito clara:
1 - O corpo e mente fazem parte da filosofia naturista, todos os excessos que os possam prejudicar devem ser evitados pelos naturistas.

Assim o consumo moderado de alguns bens pode ser o caminho a seguir estabelecendo o equilibro entre  a realidade social e a defesa da nossa  saúde e  bem estar.

2 - A FPN defende que das actuais 3 línguas oficiais da INF (inglês, alemão e francês) se passe a utilizar exclusivamente o inglês, evitando desta forma problemas nas traduções e custos elevados nos congressos e escritório da INF.

Se nos anos 50 do século passado fazia sentido, pela dificuldade em falar inglês, existirem 3 línguas oficiais, actualmente o inglês é uma língua global que permite com facilidade a comunicação entre os mais de 40 países filiados na INF.

Apesar da nossa opinião, votamos a favor da adopção do espanhol, considerando que esta é mais difundida que o alemão e se é para manter as 3 línguas oficias faz todo o sentido adicionar uma das línguas mais faladas do mundo.

3 - Esta proposta apesar de difícil implementação faz todo o sentido, ou seja todas as acções que valorizem e defendam os naturistas e especial os naturistas federados são bem vindas.

4 - Nos tempos actuais vários federações tiveram de recorrer aos tribunais, mesmo em países como a Holanda onde foram gastos 40.000€ em processos.

As ameaças ao naturismo estão a crescer e um fundo destinado a ajudar as federações a defenderem o naturismo em cada país faz cada vez mais sentido, infelizmente esta proposta foi recusada.

No entanto a INF tem ajudado caso a caso as federações com apoios para as custas judiciais.

Sobre a proposta de filiação directa na INF, esta opção existe para países que não tenham federação tendo um custo elevado para associações ou clubes a rondar os 300€. Aceitando ainda pessoas individuais com uma emissão de Cartão Naturista Internacional por valores razoáveis.

No caso dos países com federação constituída não faz, na nossa opinião, qualquer sentido filiações directas à INF, a prazo seriam um forte contributo e incentivo à divisão dentro de cada país contribuído para a implosão e divisão do naturismo associativo.

Durante o congresso foram criados vários grupos para debater o tema "A censura no naturismo" concluindo-se que o facebook é o meio com mais bloqueios e onde por vezes é feito sem qualquer coerência, em alguns países a própria palavra nudismo é automaticamente rejeitada nos emails que a contêm e existe em alguns países o total desconhecimento da lei o que leva invariavelmente a mal entendidos e abordagem dos naturistas por parte das autoridades locais.

Uma das formas de contornar esta situação é a criação de espaços restritos e de acesso reservado para a comunidade naturista poder comunicar sem ser sujeita a qualquer tipo de censura, um exemplo, foi a página criada pela federação dinamarquesa que tem sido um sucesso.

Em Portugal existe um espaço para fim desde 2007 (fórum JPN) a partir da pagina da FPN, tendo sido renovado recentemente.

Outro dos temas discutidos foi o conceito de naturismo versus nudismo onde a opinião foi praticamente unânime e que se pretende que vá no sentido de congregar as várias opção individuais de cada um evitando segregar grupos de pessoas que se identificam de forma diferente mas que partilham o gosto de estar nus.

Para além dos temas da agenda, a FPN teve oportunidade de reunir formalmente com a presidente da INF Sieglinde Ivo, para não só abordar temas relacionados com o naturismo em Portugal como também para a convidar a visitar o nosso país ao que acedeu com bastante satisfação.




Ficha técnica:
Federações filiadas: 43
Federações participantes:22
Naturistas Presentes: cerca de 150 entre delegados, observadores e acompanhantes. 
Próximo congresso: 2016 - Nova Zelândia